sexta-feira, 21 de dezembro de 2007




Que o espírito do natal esteja presente em nossas vidas durante todo o ano de 2008. Mesmo nas situações mais improváveis! Boas festas a tod@s!

8 comentários:

Jonatas disse...

Cynthia,
Acho que colocar foto de pessoas da família no blog não é apropriado. Mesmo assim, Feliz Natal pra você e pro tio Nicolau. Beijo, Jonatas

* Geninha Paiva * disse...

ha ha ha!
Mas, rapaz... Um velhinho com um sex appeal desse não se acha fácil, não...
O melhor é a altivez do moço.
Cys, aposto que essa beleza de espécime madura deve estar solteira. Serei sua avó. Que achas?

Feliz Natal pra vc, pro gatinho da foto e pra Jonatas que está levemente despeitado.

Beijinhos.

Jonatas disse...

Geninha,
Não adianta negar.Mas só um pouco. Feliz natal e tudo o mais. Jonatas

* Geninha Paiva * disse...

Jonatas,
Gosto de pessoas que assumem suas fraquezas...Muito nobre.
Feliz Natal e que Papai Noel traga todas as possibilidades pra vc se tornar, no futuro, um velhinho viril como esse da foto.
ha ha ha

Besos...

* Geninha Paiva * disse...

... e fazendo do blog acadêmico um chat irônico...

Cys deve estar adorando.

Pedro Monteiro disse...

Uma sugestão.
Jonatas falou na possibilidade de um post sobre Foucault e resistência.

Tem uma coisa que nunca entendi muito bem. Enquanto que para o marxismo a ideologia seria como uma realidade distorcida, logo possível de ser "revelada", como posso pensar em resistir se para Foucault tudo parece ser já dentro do discurso???

Jonatas disse...

Eita, Pedro! Você está querendo me pegar no contrapé... Eu respondi algo a respeito no post que fiz pra Cynthia: não é que eu ache a genealogia ou antropologia foucauldianas bons companheiros para pensar resistência. É tudo sistêmico demais. Apesar de ser sensível a novas formas de poder e mesmo à dinâmica de constituição de forças históricas importantes, como a medicina, as ciências sociais, a psiquiatria etc. ele não se propõe a pensar como resistir ao Poder - talvez porque para ele só podemos resistir ao Poder aceitando o seu campo de batalha; toda resistência é histórica e compromissada de algum modo com aquilo a que resiste. Na História da Sexualidade, ele começa a elaborar algo que poderia apontar em outra direção: "técnicas de si" e tal. Mas não teve tempo de escrever sua obra. Assim, embora eu acredite que as feministas fizeram um uso interessante da idéia de biopoder e da crítica a ciência subjacente à obra de Foucault, por exemplo, não posso falar de uma teoria da resistência em Foucault.

Noves fora, Marx e a idéia de ideologia não são condições epistemológicas necessárias a se elaborar uma idéia de resistência. Resistir não precisa necessariamente significar se opor a uma distorção da realidade. Não precisamos de um olho transcendente capaz de ver a verdade verdadeira mesmo para resistir à bota ou salto alto que nos pisa o estômago. Obrigado pela contribuição e um abraço natalino.

pedro monteiro disse...

Jonatas,
obrigado pelo comentario
muito iluminante!