quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Sugata Mitra e o projeto buraco na parede



Em 1999, Sugatra Mitra e seus colegas fizeram um buraco no muro de uma favela em Nova Deli, instalaram um computador conectado à internet e o deixaram lá (com uma câmera oculta que filmava a área). O que ele observou foram crianças da favela brincando com o computador e, no processo, aprendendo a usá-lo, a entrar na internet e, depois, ensinando umas às outras.

Nos anos seguintes, eles replicaram o experimento em outras partes da India, urbana e rural, com resultados muito semelhantes, desafiando algumas das noções centrais da educação formal. O "projeto buraco na parede" mostra que, mesmo na ausência de qualquer influência direta de um professor, um ambiente que estimula a curiosidade pode levar ao conhecimento por meio da autoaprendizagem e do compartilhamento entre colegas. Mitra, hoje um professor de tecnologia educacional na Universidade de Lancaster, Reino Unido, chama isso de "educação minimamente invasiva". (Informações traduzidas do site do TED).

10 comentários:

Cynthia disse...

E aproveitando que Jonatas está segurando a onda do GT de Teoria da Anpocs, junto com o Frédéric, em meu lugar, vou encher o Cazzo de coisinhas fofinhas para quando ele voltar. Ele vai ficar super feliz.

Artur disse...

Justo.

Jonatas merece coisinhas fofas. É seu destino, seu karma.

Artur disse...

Invocada essa experiência, hein?!

E não roubaram o computador.

Cynthia disse...

Não é legal? Lembra aquelas experiências do pessoal de psicologia cognitiva da UFPE sobre a matemática espontânea das crianças que trabalhavam em comércio de rua.

Ester disse...

bom, sem dúvidas Jonatas vai amar esse novo tom do Cazzo!! hahahahaha

Le Cazzo disse...

E cá estou eu de volta da ANPOCS - os que me conhecem sabem quanto gosto de apresentar trabalhos em Encontros e, no caso em questão, voltar vomitando pelas inúmeras curvas da Serra - aliás, qual é o nome daquele monstro? Chego e me deparo com esse visual pink, com macaco tomando champagne com uma rosa na boca (onde andará o nosso estimado Kong) e um vídeo sobre essa famosa experiência (algo behaviorista) feita em Deli. Há um livro interessante de Mark Warschauer sobre inclusão digital e que analisa essa experiência (não me perguntem o título, mas acho que não há muito traduzido do autor para o português). Quem se interessou pelo post de Cynthia, talvez queira ler o livro.

Noves fora,como noss@s leitores e leitoras podem perceber, o resultado de nossa enquete foi francamente favorável ao novo nome do blog: Pomba Santa. Apenas votaram no Cazzo (uns poucos) aqueles que não confiaram em nossa capacidade de conversão espiritual, de seguir as novas tendências do "Brasil Profundo" (aprendi essa estória de Brasil profundo na ANPOCS), rumo ao catecismo, auto-flagelação, à beatice, à carolice (ops! ainda tenho meus deslizes espirituais).

Aos noss@s leitore(a)s e devot@s peço apenas que esperem um pouco pelo novo layout e logo do nosso blog.Contratamos uma empresa que faz o marketing da Universal e em breve teremos novidades. Adianto que aqui não mais escutaremos roquenrol e música profana. Ô Graça!

"Estou servindo... a Jesus Cristo. Desse caminho... eu não desisto. Atrás o mundo... Jesus na frente..." Jonatas

Cynthia disse...

Jonatas,

Não consigo acreditar que você não gostou do Cazzo em versão fofa. Isso aqui é praticamente uma releitura da obra de David Caspar Friedrich! O que aconteceu com a sua sensibilidade para a estética romântica? Foi expelida junto com o conteúdo do seu estômago numa curva da estrada de Caxambu?

Ah, Frédéric me disse que o GT foi um sucesso. Valeu a força. E para demonstrar meu reconhecimento, vou reverter o Cazzo para o cinza-rato-morto habitual (embora eu suspeite que o problema seja que o seu PC não mostre as cores verdadeiras - aqui, eu coloco uns óculos escuros e o efeito é incrível!).

Le Cazzo disse...

E por falar nisso, oh, leitores e leitoras, o tom cinza-rato-morto é também ideia da Comadre Hamlin. Mas não há de ser nada, o projeto do pessoal da Universal em breve estará no ar. Jonatas

Raíza disse...

Eu votei no nome "Devotos da Sociologia". Achei que expressava melhor a fé e a devoção na ciência e, antes de tudo, em Deus todo poderoso. Todavia, não ganhei. Mas sigo crendo, porque, afinal de contas, Deus é Mais! rsrsrsrsrsrs

Le Cazzo disse...

É proibido dar risada durante o culto, oh Raíza. Mas agora passada a eleição, e deixando o oportunismo religioso de lado, a carolice de ocasião, vamos todos cair na gandaia. Jonatas